Acessibilidade

E eu lá preciso de Acessibilidade?

Sei que é um tema que muitas vezes parece repetitivo e já muito falado, mas precisamos estar sempre atentos às necessidades de um ambiente com relação a sua qualidade, funcionalidade e acessibilidade.

Este tema não diz respeito apenas à nós Arquitetos e Urbanistas, mas à todos que compõem o setor da construção civil e é claro aos usuários dos espaços projetados.

Em linhas gerais…

O Tema Acessibilidade trata de modo geral, de permitir que pessoas participem de atividades que incluam o uso de edifícios, produtos, serviços e informações, tendo elas, deficiência definitiva ou temporária.

De acordo com a ABNT NBR 9050, acessibilidade é a possibilidade e condição de alcance, percepção e entendimento para a utilização com segurança e autonomia, de edificações, espaços mobiliários, vias públicas, equipamentos urbanos e transporte coletivo.

Importante!

Um exemplo simples de acessibilidade dentro de casa, está na inserção de barras de apoio em banheiros, pisos planos e antiderrapantes, iluminação adequada em áreas de circulação, inclusive a utilização de botões de emergência nos cômodos da residência.

Essas preocupações, além de facilitar o dia a dia, contribuem para promover o bem estar e sociabilização dos moradores, além de ajudar a evitar possíveis acidentes, limitações e desconfortos.

Para que haja uma unificação das linguagens que tratam de acessibilidade, hoje falamos de um Desenho Universal.

Construção Sustentável

Desenho Universal

Consiste em soluções simples que atendem as tipologias humanas sem a utilização de tecnologias sofisticadas e de custo acessível. É importante ressaltar que uma construção adaptável tenha em seu custo final cerca de 1% a mais que uma construção convencional.

Homem Padrão

Em 1960 nos Estados Unidos, nasce o conceito do homem padrão, como resposta à necessidade de utilização de produtos e ambientes por todos em sua máxima extensão possível, sem a necessidade de adaptações específicas (individuais).

O desenho Universal vem como uma forma de recriação do Homem Padrão. Este, inclui produtos acessíveis a todas as pessoas, independentemente se suas características pessoais, idade ou habilidade.

De acordo com a autora do livro Desenho Universal “A meta é que qualquer ambiente ou produto seja alcançado, manipulado e usado, independentemente do tamanho do corpo do indivíduo, de sua postura ou mobilidade”. Além disso, valoriza o usuário ao longo de sua vida, uma vez que suas características e atividade mudam de acordo com a fase.

Refletir!

Tornar o espaço público e as edificações acessíveis, dentro do conceito do Desenho Universal, é pensar a cidade futura, onde todos têm acesso à educação, esporte, lazer, trabalho e transporte. É promover a cidadania, diminuindo a desigualdade social (CREA-SP).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *