Roda de Falkirk

Olá! Hoje falaremos sobre um assunto, ou melhor, uma obra em específico que traz em seu todo, o melhor da engenharia! Uma obra que impacta não só pelo seu visual, mas pela inteligência que foi necessária para sua concepção. Aquela obra que depois de pronta faz você pensar que a ideia para sua elaboração veio fácil, que é simples, mas não se engane. Não foi fácil, não foi simples; foi complicado, exaustivo e no final, algo interessante e elegante surge: a Roda de Falkirk.

04

02

Um pouco de História

Em 1930, os canais Forth & Clyde e Union Central eram unidos por uma escadaria de 11 eclusas que faziam com que a travessia entre os canais levasse quase um dia! Em 1933, o canal foi desmantelado.

Só em meados da década de 90 é que surgiram algumas ideias para a renovação do canal, entre elas, tanques inclinados, uma gangorra gigante e monotrilhos aéreos.

O conceito de uma roda como elevador de barcos foi a ideia, genial, diga-se de passagem, escolhida para essa eclusa.

É dito que, a concepção final do design da eclusa veio de inspirações com lanças célticas, caixas torácicas de baleias, espinhas de peixe e o propelidor de um navio Clydebank.

Em 1998 começaram então as obras para reunir os dois canais.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Construção da Roda

Toda a roda foi fabricada e montada como em um Lego gigante, em Derbyshire, e desmantelada e transportada para Falkirk, onde foi colocada em posição e remontada.

Foram utilizadas aproximadamente 1.200 toneladas de aço para a construção da roda e mais de 1.000 funcionários colaboraram com a execução.

A estrutura contém mais de 15.000 parafusos e 45.000 furos. Cada parafuso foi apertado a mão!

A eclusa tem mais de 35 metros de altura e cada gôndola tem 600 toneladas de massa e carregam 500.000 litros de água.
Incrivelmente, para completar a descida (ou subida), a Roda gasta 1,5kWh de energia! A mesma quantidade usada em aproximadamente 1 hora passando o aspirador de pó em casa!

01

Mas como funciona?

Funciona de modo muito inteligente, seguindo o princípio de Arquimedes, e claro, com toda a beleza de uma boa engenharia.

Basicamente, um barco que irá ser transportado de baixo para cima, ou vice-versa chega na eclusa e entra em uma das gôndolas; após uma série de checagens da equipe de apoio, que monitora constantemente a eclusa, é liberado o “passeio”; as travas que prendem as gôndolas para que não elas não se movimentem então, são destravadas; depois, duas paredes são elevadas entre a gôndola e o canal e a água que fica neste espaço é esvaziada; no centro da roda, dez motores hidráulicos começam a girar a estrutura; ao final de meia volta, em torno de 4 minutos, as travas acionadas, as comportas abertas e a embarcação liberada.

Não se preocupe com a possível diferença de peso entre as embarcações, pois seguindo o princípio de Arquimedes, as embarcações deslocarão a quantidade de água correspondente ao seu peso.

07

Veja o vídeo abaixo (em inglês), que explica em detalhes:

Atividades para toda a família

O canal em si é grande e conta com diversas atividades para toda a família, entre elas, pesca, paddling, passeios de barco, ciclismo. Conta também com diversos eventos realizados por lá! E para quem está querendo mudar um pouco os ares, você pode comprar uma casa na água e morar por lá também!!

Ahh, e se quiser um brinde, por £21,00 você pode comprar uma miniatura bem legal da Roda!

06

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *